Follow by Email

sábado, 22 de outubro de 2011

Katie Melua





 Katie Melua nasceu em 16 de Setembro de 1984 em Tbilisi (República da Geórgia) da antiga URSS. Seu pai, um especialista em cardiologia, se mudou para a Irlanda quando Katie tinha 9 anos. Depois, em 1998, mudaram para o subúrbio de Londres. Foi onde Katie decidiu enveredar para uma carreira artística depois da sua vitória em um concurso televisivo cantando. É, portanto, em uma escola especial onde ela ganhou um grau equivalente a BA em 2003. . Seu primeiro álbum, foi lançado em outubro de 2004. Misturando jazz e blues combinados a sua bela voz, o álbum logo chegou ao topo das paradas . É incrível como uma garota de 20 anos demostrou em seu álbum de estreia incrível maturidade.. Retornou no final de 2005 com um segundo disco, "Piece By Piece", uma qualidade idêntica à precedente em que confirma todo o bem que pensamos do mesmo: uma grande cantora nasceu. Seu terceiro  álbum "Images" de 2007,  é tão saborosos como os anteriores e os talentos de Katie Melua, como se fosse ainda possível, continuam a ganhar força. Agora ela está de volta com o álbum "The Flood" confira a música de trabalho.





LETRA : THE FLOOD (O DILÚVIO) (tradução - alexxtraduzido)
Pessoas com defeito são recicladas
tomara que às vezes eu seja atirada pra fora vias que julgava ser o de volta pra minha casa
 e que não eram o lugar que eu conhecia
Não, eu não tenho receio de mudar,
Certo, nada é certo
nos tornamos prisioneiros do que possuímos
Minhas possessões vão voltar pro lugar de onde elas vieram

Culpa, ninguém tem culpa
Tão natural como a chuva que cai
Aí vem o dilúvio novamente

Veja a rocha na qual você se sustenta
Será que ela vai te salvar
Quando a terra começar a entrar em ruínas?
Por que você acha que tem que se sustentar?
Imagine só se você abrir mão...

Culpa, ninguém tem culpa
Tão natural como a chuva que cai
Aí vem o dilúvio novamente

Jogue longe o peso que puxa para baixo
ilumine os caminhos que livram do pó

Não confie em seus olhos
É fácil crer neles
sei que em seu coração
você é capaz de deixar esta prisão

Não confie em sua mente
Que nem sempre te dá ouvidos
Acenda as luzes
E sinta o ritmo antigo

Não confie em seus olhos
É fácil crer neles [ninguém é tem culpa]
sei que em seu coração [tão natural quanto a chuva]
você é capaz de deixar esta prisão [aí vem o dilúvio novamente]

Culpa, ninguém tem culpa
Tão natural como a chuva que cai
Aí vem o dilúvio novamente


Broken people get recycled
and I hope that I will sometimes be thrown off the pathways
what I thought was my way home
wasn't the place I know
No, I'm not afraid of changing,
Certain, nothing's certain
what we own becomes our prison
my possessions will be gone
back to where they came from

Blame, no one is to blame
as natural as the rain that falls
here comes the Flood again

See the rock that you hold onto
is it gonna save you
when the earth begins to crumble?
why'd you feel you have to hold on?
imagine if you let go

Blame, no one is to blame
as natural as the rain that falls
here comes the Flood again

Flush away the weight that pulls you down
Light the ways that free from the dust

don't trust your eyes
its easy to believe them
know in your heart
that you can leave a prison

don't trust your mind
its not always listening
turn on the lights
and feel the ancient rhythm

Don't trust your eyes
its easy to believe them [no one is to blame]
know in your heart [as natural as the rain]
that you can leave your prison [here comes the Flood again]

Blame, no one is to blame
As natural as the rain that falls
Here comes the Flood again


Nenhum comentário:

Postar um comentário